Newsletter: Informe um endereço de e-mail válido.

Roteiros

Venha visitar os inúmeros locais considerados  Património da Humanidade. Encante-se com a maravilhosa história de Castelos, Mosteiros e Palácios. Sinta como os Poetas e Artistas embelezaram os sítios e ruas das Cidades. Imagine como os navegadores portugueses partiram à descoberta do Mundo. Conheça o legado  cultural que o Povo deixou ao longo dos tempos. Visite os mais belos e emblemáticos monumentos de Portugal.

 

Realize os seus roteiros com garantia de Qualidade e Amabilidade, Transporte de turismo, Guias profissionais e Intérpretes em várias línguas –  Português, Inglês, Francês, Espanhol, Alemão, Italiano, Russo.

Roteiros em Destaque

Quinta da Regaleira - Sintra
Quinta da Regaleira - Sintra

Visita guiada à Quinta da Regaleira. Venha conhecer os cenários e a representação da viagem iniciática no jardim simbólico da Quinta da Regaleira, um dos mais surpreendentes e enigmáticos monumentos da Paisagem Cultural de Sintra.

 

Seguindo a nossa viagem pelo elegante percurso que ligava o Paço Real a Seteais, nos limites do centro histórico da Vila, encontramos os muros e o Palácio da Quinta da Regaleira.
Esta quinta existe desde o Séc. XVII, na sua mais recente história entre 1904 e 1910, no derradeiro período da monarquia, os domínios românticos outrora pertencentes à Viscondessa da Regaleira, foram adquiridos e ampliados pelo Dr. António Augusto Carvalho Monteiro, para fundar o seu lugar de eleição. Detentor de uma fortuna fabulosa, que lhe valeu a alcunha de “Monteiro dos Milhões”, associou ao seu singular projecto de arquitectura e paisagem, o génio criativo do arquitecto e cenógrafo italiano Luigi Manini, bem como a mestria dos escultores, canteiros que com este haviam trabalhado no Palácio Hotel do Buçaco.

 

Concretiza-se com estes cenários a representação de uma viagem iniciática, por um jardim simbólico, onde podemos sentir a Harmonia das Esferas. Nele se vislumbram referências à mitologia, ao Olimpo, a Virgílio, a Dante, a Camões, à missão Templária da Ordem de Cristo, a grandes místicos, aos enigmas da Arte Real, à Magna Obra Alquímica. Nesta sinfonia de pedra revela-se a dimensão poética e profética de uma Mansão Filosofal Lusa. Aqui se fundem o Céu e a Terra numa realidade sensível, a mesma que presidiu à teoria do Belo, da Arquitectura e da Música.

 

16.DEZ Convento da Graça
16.DEZ Convento da Graça

16.12.2017 (sábado) - 10,30H - Venha conhecer os Segredos Revelados do Convento da Graça, na realização da visita guiada ao Convento e Igreja, aberto recentemente ao público, após obras de apurado restauro.

 

O Convento Nossa Senhora da Graça é um dos edifícios mais antigos da Cidade de Lisboa, situando-se originalmente no Monte de São Gens em 1147, mudando-se para a colina da Graça em 1291. Casa-mãe dos monges Ermitas Calçados da Regra de Santo Agostinho ou Gracianos, chegou a ser o maior convento da península ibérica. Após as obras de restauro, recuperou o seu esplendor, revelando um importante património nacional. O Convento com acesso por Portaria e Respectiva Capela, sobre a qual surge a torre sineira, estruturando-se de forma semelhante aos ditames das ordens que seguiam a regra de Santo Agostinho, com Sala do Capítulo/ Refeitório, com painéis de azulejos do séc. XVIII.

 

Igreja Nossa Senhora da Graça, de estrutura maneirista com coro-alto, nave de cinco tramos. O retábulo-mor segue o esquema comum das igrejas pombalinas, muito simples, ladeado por colunas marmoreadas e com nicho central tendo trono e rematando em frontão interrompido, encimado por anjos. Em cada um dos lados da capela-mor, surge um órgão de tubos com caixa em talha dourada. Sacristia com acesso por porta-frontão influenciada pelo Tratado de Vignola, tipologia muito utilizada nestes espaços durante o séc. XVII.

Aqueduto Águas Livres
Aqueduto Águas Livres

Visita Guiada ao Aqueduto das Águas Livres de Lisboa. Venha conhecer e apreciar esta notável obra de engenharia que os Portugueses deixaram à Humanidade, realizando a travessia do Aqueduto do Vale de Alcântara até à Mãe d' Água nas Amoreiras.

 

A intenção da construção do Aqueduto começa a ter forma com a ideia de levar a água das nascentes das Águas Livres, em Belas, para a cidade de Lisboa, nos reinados de D. Manuel, D. João III e D. Sebastião. Em 1571, Francisco de Holanda, para garantir o abastecimento de água à capital, propôs ao rei D. Sebastião a reconstrução de um aqueduto e da antiga barragem romana de Olíssipo. Só no reinado de D. João V, em pleno Séc. XVIII foi decidido avançar com a construção, tendo os custos sido integralmente suportados pela população de Lisboa, através de taxas sobre a carne, o azeite e o vinho.

 

O projecto e a construção do aqueduto devem-se essencialmente ao brigadeiro Manuel da Maia, ao sargento-mor Custódio Vieira, ao capitão de engenharia Carlos Mardel e ao procurador da cidade, Cláudio Gorgel do Amaral, pela sua determinação em resolver o problema do abastecimento de água à cidade de Lisboa. O rei D. João V, saturnino por devoção, assinou em 12 de Maio de 1731, um sábado, o decreto régio para a construção do Real Aqueduto das Agoas Livres. O tempo passou, e as obras, lá foram iniciadas sob a direcção do arquitecto Manuel da Maia e do sargento-mor Custódio de Vieira. Apesar de ter começado a abastecer de água uma rede de chafarizes na cidade de Lisboa a partir de 1748, só ficou concluído em 1834.

 

O Aqueduto das Águas Livres guarda um conhecimento, um saber únicos, uma obra hidráulica notável, uma beleza inigualável, o trabalho de inúmeros pedreiros que desbastaram as pedras para lhe dar forma, o único monumento câmara escura jamais construído, que permite o reflexo da paisagem exterior num jogo de cor, luz, sombra, aromas que toca o sagrado e que jamais nos separa do Todo. Um sistema de distribuição de água duplo, que os Portugueses deixam à Humanidade.

 

Simbolismo Baixa Pombalina
Simbolismo Baixa Pombalina
Após o devastador terremoto de 1755 em Lisboa, o rei D. José I e o seu Ministro Marquês de Pombal tomaram medidas imediatas para que a cidade renascesse novamente. Contrataram assim um considerável número de arquitectos e engenheiros, que em menos de um ano fizeram o “milagre” de transformar Lisboa numa cidade nova e sem ruínas.

O novo centro, hoje conhecido por Baixa Pombalina é uma das zonas nobres da cidade. São os primeiros edifícios mundiais a serem construídos com protecções anti-sísmica, que foram testadas em modelos de madeira à medida que as tropas marchavam ao seu redor testando assim a sua resistência - a famosa gaiola pombalina.

Contudo, esta grandiosa obra “escondia” algo mais. Hoje, temos uma Lisboa marcada por um sistema simbólico ligados ao Esoterismo, à Maçonaria, à Alquimia, à Mitologia, etc. Temos uma Lisboa povoada por estátuas e obeliscos, por altos e baixos relevos, por azulejos que nos contam histórias maravilhosas, que nos falam de mistérios inimagináveis e que de uma forma ou de outra nos sugerem o mito, o sonho da Lisboa do Quinto Império.
 
 
Cerca Velha ou Moura
Cerca Velha ou Moura

Venha visitar os vestígios da muralha mais antiga de Lisboa, conhecida por Cerca Moura, que delimitou e defendeu Lisboa na época medieval. Partindo da Rua do Chão da Feira no Castelo, descendo até ao rio Tejo, viajamos por Alfama, Casa dos Bicos, Sé Catedral.Encontram-se hoje em dia vestígios da muralha mais antiga de Lisboa que se tem conhecimento, conhecida por Cerca Moura.

 

Este sistema defensivo terá sido construído pelos Mouros aquando a sua ocupação do território, provavelmente entre inícios do século X até 1147, ano em que as forças de D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, tomaram a cidade aos Mouros. A Cerca Moura incluía no seu interior a importante Alcáçova e a Medina Mouriscas, e foi construída num período de florescimento urbano e comercial da cidade, que tinha entrado em declínio com a instabilidade das anteriores ocupações bárbaras, até à conquista do território pelos Muçulmanos em 719. Algumas teorias apontam inclusivamente para uma construção ainda do período de ocupação Romana que terá sido aproveitada pelos Mouros.


Actualmente encontram-se visíveis troços desta vasta muralha e também de algumas torres. A “Cerca Velha” que delimitou e defendeu Lisboa na época medieval é recriada num circuito pedonal sinalizado que passa pelo Castelo, Alfama, Casa dos Bicos e Sé, descendo até ao Rio Tejo.

 

Mouraria culturas e tradições
Mouraria culturas e tradições

A Mouraria é um dos mais tradicionais bairros da cidade de Lisboa, que deve o seu nome ao facto de D. Afonso Henriques, após a conquista de Lisboa, ter confinado uma zona da cidade para os árabes. Foi neste bairro que permaneceram os mouros após a Reconquista Cristã.

 

Vamos conhecer as tradições, culturas e história do Bairro da Mouraria. Na diversidade do património são evocados santos padroeiros, ofícios desaparecidos, famílias aristocratas e caminhos antigos. Sob o olhar majestático do castelo, o casario acotovela-se até ao vale, num labirinto de becos, ruelas, largos e escadinhas que nos fazem lembrar uma Medina árabe.

 

Nas ruas permanecem pedras foreiras e as velhas portas da cidade medieval. Muralha Fernandina, Capela N. S. da Saúde, Colégio dos Meninos Órfãos, Colégio de Santo Antão-O-Velho, Palácio da Rosa, Recolhimento de São Cristóvão, casa de balcão de ressalto do Largo da Achada e outros edifícios seculares resistem na Mouraria.

 

Já na Rua do Capelão, a História passa pela casa onde viveu Maria Severa Onofriana, um dos mitos fundadores do Fado, rica em amores e desamores e a casa onde nasceu Fernando Maurício, considerado um dos mais castiços fadista e filho ilustre da Mouraria.

 

Subscreva a nossa newsletter Fique a par dos nossos roteiros!
Copyright © 2017 Grupo MediaMaster. Todos os direitos reservados
Copyright © 2017 Grupo MediaMaster. Todos os direitos reservados