Newsletter: Informe um endereço de e-mail válido.

Roteiros

Venha visitar os inúmeros locais considerados  Património da Humanidade. Encante-se com a maravilhosa história de Castelos, Mosteiros e Palácios. Sinta como os Poetas e Artistas embelezaram os sítios e ruas das Cidades. Imagine como os navegadores portugueses partiram à descoberta do Mundo. Conheça o legado  cultural que o Povo deixou ao longo dos tempos. Visite os mais belos e emblemáticos monumentos de Portugal.

 

Realize os seus roteiros com garantia de Qualidade e Amabilidade, Transporte de turismo, Guias profissionais e Intérpretes em várias línguas –  Português, Inglês, Francês, Espanhol, Alemão, Italiano, Russo.

Roteiros em Destaque

Aqueduto Águas Livres
Aqueduto Águas Livres

Visita Guiada ao Aqueduto das Águas Livres de Lisboa. Venha conhecer e apreciar esta notável obra de engenharia que os Portugueses deixaram à Humanidade, realizando a travessia do Aqueduto do Vale de Alcântara até à Mãe d' Água nas Amoreiras.

 

A intenção da construção do Aqueduto começa a ter forma com a ideia de levar a água das nascentes das Águas Livres, em Belas, para a cidade de Lisboa, nos reinados de D. Manuel, D. João III e D. Sebastião. Em 1571, Francisco de Holanda, para garantir o abastecimento de água à capital, propôs ao rei D. Sebastião a reconstrução de um aqueduto e da antiga barragem romana de Olíssipo. Só no reinado de D. João V, em pleno Séc. XVIII foi decidido avançar com a construção, tendo os custos sido integralmente suportados pela população de Lisboa, através de taxas sobre a carne, o azeite e o vinho.

 

O projecto e a construção do aqueduto devem-se essencialmente ao brigadeiro Manuel da Maia, ao sargento-mor Custódio Vieira, ao capitão de engenharia Carlos Mardel e ao procurador da cidade, Cláudio Gorgel do Amaral, pela sua determinação em resolver o problema do abastecimento de água à cidade de Lisboa. O rei D. João V, saturnino por devoção, assinou em 12 de Maio de 1731, um sábado, o decreto régio para a construção do Real Aqueduto das Agoas Livres. O tempo passou, e as obras, lá foram iniciadas sob a direcção do arquitecto Manuel da Maia e do sargento-mor Custódio de Vieira. Apesar de ter começado a abastecer de água uma rede de chafarizes na cidade de Lisboa a partir de 1748, só ficou concluído em 1834.

 

O Aqueduto das Águas Livres guarda um conhecimento, um saber únicos, uma obra hidráulica notável, uma beleza inigualável, o trabalho de inúmeros pedreiros que desbastaram as pedras para lhe dar forma, o único monumento câmara escura jamais construído, que permite o reflexo da paisagem exterior num jogo de cor, luz, sombra, aromas que toca o sagrado e que jamais nos separa do Todo. Um sistema de distribuição de água duplo, que os Portugueses deixam à Humanidade.

 

19.AGO Lisboa Subterrânea
19.AGO Lisboa Subterrânea

19.08.2017 (sábado) - 16H Roteiro sobre a Lisboa subterrânea com visita guiada ao Núcleo Arqueológico da Rua Correeiros na Baixa Pombalina - Lisboa

Núcleo Arqueológico da Rua Correeiros, próximo do Arco da Rua Augusta, a ocupar quase por inteiro um quarteirão pombalino da baixa de Lisboa, situa-se um edifício do Millennium bcp.

Pelas suas características únicas - aí se podem percorrer 2.500 anos da História de Lisboa - este espaço, agora designado Núcleo Arqueológico da Rua dos Correeiros (NARC), sendo um espaço e património da Cidade e mesmo do País.
Podemos observar e admirar estruturas sobrepostas de períodos históricos desde o Púnico ao Medieval e ao Pombalino, para além de um espólio de várias épocas, dispostas de modo a mostrar as várias fases da ocupação da zona da baixa.

Mouraria culturas e tradições
Mouraria culturas e tradições

A Mouraria é um dos mais tradicionais bairros da cidade de Lisboa, que deve o seu nome ao facto de D. Afonso Henriques, após a conquista de Lisboa, ter confinado uma zona da cidade para os árabes. Foi neste bairro que permaneceram os mouros após a Reconquista Cristã.

 

Vamos conhecer as tradições, culturas e história do Bairro da Mouraria. Na diversidade do património são evocados santos padroeiros, ofícios desaparecidos, famílias aristocratas e caminhos antigos. Sob o olhar majestático do castelo, o casario acotovela-se até ao vale, num labirinto de becos, ruelas, largos e escadinhas que nos fazem lembrar uma Medina árabe.

 

Nas ruas permanecem pedras foreiras e as velhas portas da cidade medieval. Muralha Fernandina, Capela N. S. da Saúde, Colégio dos Meninos Órfãos, Colégio de Santo Antão-O-Velho, Palácio da Rosa, Recolhimento de São Cristóvão, casa de balcão de ressalto do Largo da Achada e outros edifícios seculares resistem na Mouraria.

 

Já na Rua do Capelão, a História passa pela casa onde viveu Maria Severa Onofriana, um dos mitos fundadores do Fado, rica em amores e desamores e a casa onde nasceu Fernando Maurício, considerado um dos mais castiços fadista e filho ilustre da Mouraria.

 

Simbolismo Baixa Pombalina
Simbolismo Baixa Pombalina
Após o devastador terremoto de 1755 em Lisboa, o rei D. José I e o seu Ministro Marquês de Pombal tomaram medidas imediatas para que a cidade renascesse novamente. Contrataram assim um considerável número de arquitectos e engenheiros, que em menos de um ano fizeram o “milagre” de transformar Lisboa numa cidade nova e sem ruínas.

O novo centro, hoje conhecido por Baixa Pombalina é uma das zonas nobres da cidade. São os primeiros edifícios mundiais a serem construídos com protecções anti-sísmica, que foram testadas em modelos de madeira à medida que as tropas marchavam ao seu redor testando assim a sua resistência - a famosa gaiola pombalina.

Contudo, esta grandiosa obra “escondia” algo mais. Hoje, temos uma Lisboa marcada por um sistema simbólico ligados ao Esoterismo, à Maçonaria, à Alquimia, à Mitologia, etc. Temos uma Lisboa povoada por estátuas e obeliscos, por altos e baixos relevos, por azulejos que nos contam histórias maravilhosas, que nos falam de mistérios inimagináveis e que de uma forma ou de outra nos sugerem o mito, o sonho da Lisboa do Quinto Império.
 
 
Quinta da Regaleira - Sintra
Quinta da Regaleira - Sintra

Visita guiada à Quinta da Regaleira. Venha conhecer os cenários e a representação da viagem iniciática no jardim simbólico da Quinta da Regaleira, um dos mais surpreendentes e enigmáticos monumentos da Paisagem Cultural de Sintra.

 

Seguindo a nossa viagem pelo elegante percurso que ligava o Paço Real a Seteais, nos limites do centro histórico da Vila, encontramos os muros e o Palácio da Quinta da Regaleira.
Esta quinta existe desde o Séc. XVII, na sua mais recente história entre 1904 e 1910, no derradeiro período da monarquia, os domínios românticos outrora pertencentes à Viscondessa da Regaleira, foram adquiridos e ampliados pelo Dr. António Augusto Carvalho Monteiro, para fundar o seu lugar de eleição. Detentor de uma fortuna fabulosa, que lhe valeu a alcunha de “Monteiro dos Milhões”, associou ao seu singular projecto de arquitectura e paisagem, o génio criativo do arquitecto e cenógrafo italiano Luigi Manini, bem como a mestria dos escultores, canteiros que com este haviam trabalhado no Palácio Hotel do Buçaco.

 

Concretiza-se com estes cenários a representação de uma viagem iniciática, por um jardim simbólico, onde podemos sentir a Harmonia das Esferas. Nele se vislumbram referências à mitologia, ao Olimpo, a Virgílio, a Dante, a Camões, à missão Templária da Ordem de Cristo, a grandes místicos, aos enigmas da Arte Real, à Magna Obra Alquímica. Nesta sinfonia de pedra revela-se a dimensão poética e profética de uma Mansão Filosofal Lusa. Aqui se fundem o Céu e a Terra numa realidade sensível, a mesma que presidiu à teoria do Belo, da Arquitectura e da Música.

 

Bairro Alto 500 anos da fundação
Bairro Alto 500 anos da fundação

O Bairro Alto nasceu como resposta às grandes transformações sociais e económicas que se deram em Lisboa a partir da 2.ª metade do século XV. O desenvolvimento comercial promoveu o aumento demográfico da cidade, obrigando à expansão urbana no exterior da muralha fernandina; foi este fenómeno que esteve na base da urbanização dos terrenos à ilharga das Portas de Santa Catarina. Construído em plano ortogonal a partir do início do século XVI, foi conhecido como Vila Nova de Andrade. 

 

Desde a sua fundação em 1513 que foram desenhadas e construídas as ruas, os becos, os conventos e igrejas, os palacetes para a nobreza, as casas para a população. Neste percurso pela história viva do Bairro, vamos conhecer o variado património arqueológico e arquitectónico, dos conventos e igrejas, dos palácios, dos ofícios, da maçonaria, dos jornais, de personalidades da literatura, da música, do teatro, do fado e da boémia, sem esquecer as gentes que vivem e dão vida as tradições do Bairro Alto.

 

Primeiro, chegou a gente ligada ao mar, depois, os jesuítas e, atrás deles, a nobreza, nos seus coches. O Bairro Alto escapou ao terramoto e o fado encheu-lhe as ruas. Com os jornais, a boémia intelectualizou-se. O salazarismo levou o bairro a fechar-se e, só em finais dos anos 70, as novas gerações o descobriram como lugar de transgressão e fuga. Entrou na moda e dela nunca mais saiu. Hoje é um dos cartões-de-visita da cidade de Lisboa.

 

Subscreva a nossa newsletter Fique a par dos nossos roteiros!
Copyright © 2017 Grupo MediaMaster. Todos os direitos reservados
Copyright © 2017 Grupo MediaMaster. Todos os direitos reservados